domingo, 29 de julho de 2012

"a Tela"




quarta-feira, 18 de julho de 2012

suspenso pela espera


Há muita gente muda. 
são estes, os caladinhos da vida, que por dentro falam e dizem tudo. são normalmente esses que deliberam as suas formas de solidão. porque na verdade nunca estão sozinhos. 

Sinto-me tão quente, imersa nesta febre que teima em não me deixar as carnes. e fervo...fervo...por tentar explicar-me no meio desta cura surreal...fervo por fazer surgir de respostas mais perguntas. por procurar os eternos caminhos da Paz.

Sempre a busca do silêncio. dessa saúde. 

Já ouviram o barulho de um corpo a cair? é tão forte não é? tão denso, único. 
e o barulho da queda de um espírito que deixa de sonhar...já ouviram? tão agudo que dói 

Mas... ruidoso mesmo, é o silêncio de uma solidão forçada por um corpo que adoece. é uma vida que precisa de ar, que quer mais vida. 
Tal alma unida a uma corpo que não se deixa viver no planeta dos sentidos, qual 'Borboleta e o Escafandro'... e depois há esta pele doente que quer cair. e esta nova pele que se começa a formar e que deseja tanto encontrar o Deus do Homem. E se não encontrar. pelo menos acreditar que se encontra...o que no fundo acaba por ser a mesma coisa.

o silêncio...o silêncio...é também responsabilidade....o silêncio é uma violência quando de nós esperam uma palavra.



Devagarinho aproxima-se um vulto, não lhe consigo ver os detalhes nem traçar contornos: é a nova pele! está tão protegida.  não está sozinha... vem no regaço da escolha calma, suspenso pela espera

é tão doce

sábado, 7 de julho de 2012

quantas peles cabem num corpo?


Sob a crosta habita uma pele ansiosa por respirar